Arquivo de abril de 2018
literatura category image resenhas category image

Resenha: Mais que amigos

24 abril 2018

Oi gente, tudo bem? Por aqui, tudo bem também.
Hoje vou falar sobre uma leitura tão clichê mas tão gostosa de se ler, que mereceu cada estrelinha.
Essa resenha vai ser curtinha, porque as surpresas desse livro são várias.
Vamos lá?!


Título: Mais que amigos
Autor: Lauren Layne
Sinopse:
Será que vale a pena arriscar uma grande amizade em troca de um amor inesquecível?

Aos vinte e dois anos, a jovem Parker Blanton leva a vida que sempre sonhou. Tem um namorado inteligente e responsável, um emprego promissor e a companhia de seu melhor amigo, Ben Olsen, com quem divide um lindo apartamento.
Parker e Ben são tão grudados que muita gente duvida que eles morem sob o mesmo teto sem nunca ter vivido um caso, mas eles não se importam com o que as pessoas pensam. Sabem que não foram feitos um para o outro — pelo menos não para se envolver.
Por isso, quando um acontecimento inesperado faz com que Parker se veja sem namorado e com o coração partido, ela sabe que pode contar com Ben para ajudá-la a sacudir a poeira e partir para outra. Afinal, ninguém seria mais ideal do que seu melhor amigo para lhe mostrar os prazeres da vida de solteiro… certo?
Mais que amigos é uma comédia romântica irresistível!


Sabe aquele romance clichê que você adora ler? Então, esse é perfeito.
Começa assim: melhores amigos há uns anos, moram juntos, não se sentem atraídos um pelo outro, as coisas mudam e coisas acontecem.
Já falei, é clichê. Mas o que mais me surpreendeu nesse clichê é o que aconteceu no decorrer da história. Mudanças e transformações.
E é bem legal ver as coisas mudando ao mesmo tempo em que acontecem e sob a perspectiva do personagem.
O livro é narrado em primeira pessoa ora por Parker ora por Ben. E a escritora conseguiu criar duas narrativas tão ímpares, que parecem não serem escritas pela mesma pessoa.
Além de ser uma comédia romântica e ter um pouquinho de drama também, há muito humor envolvido.
Como disse, há elementos surpresas no decorrer do livro, que valem muito a pena você descobrir sozinho(a).

Falar ou calar?

Espero que curtam!

Beijos e boa leitura!

Nota:

literatura category image resenhas category image

Resenha: O garoto que eu abandonei

21 abril 2018
Título: O garoto que eu abandonei
Autora: Raiza Varella
Sinopse:
O que você perdoaria por amor?
Em O Garoto que eu Abandonei vamos conhecer a história do último encantado dos irmãos Bittencourt. Gustavo mantinha uma namorada secreta a meses com medo da reação de sua família e principalmente de Bárbara, sua irmã caçula, afinal ele sabia que ela não aceitaria facilmente esse relacionamento por ter um passado com a mulher que ele acredita amar. Quando o segredo vem à tona ele decide se casar com a moça doa a que doer, lançando ao vento um desafio tentador a Bárbara: Afundar o casamento a qualquer custo, mesmo para que para isso ela precisasse colocar o seu felizes para sempre com um certo garoto dos olhos azuis em risco! A solução? Recorrer a uma misteriosa mulher do passado do irmão. Ela não sabe nada sobre a moça misteriosa, a não ser que ela partiu o coração de Gustavo em um milhão de pedacinhos depois o abandonou. Se ele a amou ao ponto de escondê-la de todos será que ficaria balançado se a visse novamente? Bárbara acredita que vale a pena tentar, afinal a ruiva com os olhos cinzentos e infelizes parece ser sua última e única opção. O que ela não imaginava é que a história dos dois é mais profunda do que se deixa transparecer.
Marcela é morta por dentro. Uma detetive particular de humor ácido que não tem papas na língua, pesa mais do que gostaria, e guarda dentro do peito uma dor feroz e uma saudade absurda após perder toda a família em um acidente de carro, também é a Branca de Neve de um certo príncipe encantado. Será que ela será a arma certa para impedir o noivo de chegar ao altar?
Em meio a encontros e desencontros, um passado secreto, muitas mentiras e uma maça envenenada poderá existir um final feliz?
Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Hoje estou trazendo a última resenha da trilogia Encantados, do livro O garoto que eu abandonei. E, depois de O garoto de olhos azuis, este é o livro da trilogia que eu mais gostei.
Não que eu não tenha gostado de O garoto que tinha asas, mas esta história se superou e me tirou o fôlego por tantas vezes, que tudo que eu sentia necessidade de fazer era engoli-lo.

E eu recomendo fortemente que você não prossiga com a leitura desta resenha caso não tenha lido O garoto dos olhos azuis. Não que eu vá lotar aqui de spoilers, mas é que as histórias são sequenciais e diretamente ligadas.

Eu avisei hein, a leitura é por sua conta e risco, vamos lá!

Mesmo com os erros consideráveis de digitação, a história tem tamanha profundidade que em momento nenhum é afetada pelas falhas.

Quantos limites somos capazes de cruzar para chegar ao “felizes para sempre”? Todos sabem que eu adoro histórias felizes e é assim que eu sinto inveja de todos eles por viverem seus amores fantásticos dentro da trilogia. Mas, o amor deste livro – em especial – foi o mais real e profundo, o mais tocante. Mostrando como a vida e o destino realmente parecem fazer uma escola de samba desfilar usando salto 15 na face da gente.
– O quanto as perdas, assim como as conquistas, nos transformam.

E esse livro é isso, vemos pessoas transformadas por suas dores, murchando por seus segredos e medos, desejando não viver mais um dia daquele sofrimento todo e… e se redescobrindo através de carinho, de amizade e principalmente de amor.

Gustavo escolheu abandonar a família para se casar claramente com a pessoa errada e conhecendo a família como conhecemos, já podíamos esperar que eles moveriam céus e terras para impedir este casamento de acontecer. O que eles não podiam imaginar é quanta dor um passado poderia trazer ao presente quando optaram – mais a Bárbara que qualquer um dos outros, obviamente – por trazer Marcela, uma amiga e antiga paixão de Gustavo, de volta.

O reencontro de Gustavo e Marcela, após anos, vem para colocar os pingos nos i’s todinhos de uma amizade abandonada por segredos e mentiras, para salvar uma Bárbara desesperada com a possibilidade de seu querido irmão se casar com uma pessoa que não merece nem um bom dia e também para completar antigos “enigmas” lançados anteriormente.

Consigo sentir, até agora, a dor da Marcela… e essa é uma das vantagens mais incríveis dos livros narrados em primeira pessoa: permitir que o leitor absorva melhor o sentimento das personagens.

Dor e superação caminham lado a lado numa linha tênue nesta história e basta saber como o coração consegue aguentar tudo isso e continuar batendo.
Será que o preço cobrado de todos nesta trama vai valer a pena para que tudo se encaixe?

A importância da família e dos amigos neste livro é igualmente levantada e bem trabalhada.
Quando dizem que “tudo acontece por um motivo”, eu nunca imaginaria que seria tão ao pé da letra assim. Só fiquei, ao fim, indignada porque a Camila não teve um destino de puro sofrimento, definitivamente ela merecia. Mas, a história é maravilhosa e nem isso tira seus méritos.

Nota:


Ah, complementando com uma novidade não tão nova assim… a editora Pandorga lançou um livro chamado Amor de todas as formas, para comemorar o dia dos namorados ano passado com pequenos contos de algumas autoras. Nele, Raiza Varella nos traz um pequeno vislumbre de como está a vida de nossos queridos da trilogia após os acontecimentos deste último livro, através da perspectiva de Vivian e Bernardo… além de trazer a própria história do casal.

Maravilhoso a Raiza ter nos presenteado com este conto, a Malibu merecia que conhecêssemos sua história também e ela é capaz de nos arrancar algumas lágrimas.
Eu já li o conto, ele é curtinho mas também vale uma resenha, então logo trarei aqui para vocês também! 🙂

Boa leitura, beijos!
Até a próxima!

literatura category image resenhas category image

Resenha: O Projeto Rosie

19 abril 2018
Título: O Projeto Rosie
Autor: Graeme Simsion
Sinopse:
Para se ter a vida de Don Tillman, não é preciso muito esforço. Às terças-feiras come-se lagosta com salada de wasabi (seguindo um roteiro com refeições padronizadas que evitam o desperdício de ingredientes e de tempo no preparo); todos os compromissos são executados de acordo com o cronograma – alguns minutos reservados para a prática do aikido e do caratê antes de dormir; uma hora para limpar o banheiro; três dias da semana reservados para suas idas à feira – e se, apesar dessa programação, algum desagradável contratempo surgir em sua rotina, não há nada que não possa ser solucionado com meia hora de pesquisa científica.
Exceto as mulheres.
Até o momento, a única coisa não esclarecida pelos estudos no campo de atuação de Don, a genética, é o motivo para sua incapacidade de arrumar uma esposa. Uma namorada ao menos? Ou até mesmo uma amiga para somar ao seleto grupo de amigos de Don, formado por Gene, também professor na universidade, e a mulher dele, Claudia, psicóloga e esposa muito compreensiva.
Para solucionar esse problema do modo mais eficaz, Don desenvolve o Projeto Esposa, um questionário meticuloso que irá ajudá-lo a filtrar candidatas inadequadas a seu estilo de vida: fumantes JAMAIS, e mulheres que se atrasam por mais de cinco minutos ou que usam muita maquiagem estão fora dos critérios pouco flexíveis que o levarão à mulher ideal.
O único problema é que um questionário desse tipo exige tempo e dedicação, duas coisas que começaram a diminuir exponencialmente no cotidiano de Don desde que ele conheceu Rosie: fumante, vegetariana e incapaz de chegar na hora marcada. Ou esse era o único problema até Rosie entrar na vida de Don e – despretensiosamente, uma vez que ela nunca se candidatou ao Projeto Esposa – mostrá-lo que a mulher ideal não existe, mas o amor, sim.

Oi, gente! 
Mais um tempinho se passou mas cá estou eu novamente. Desta com este livro divino, que é um dos que ganhei no nosso Amigo Secreto Literário.
Confiram a resenha! É mais um para minha lista de favoritos!

“—Eu convidei você para vir aqui esta noite porque, quando percebe que quer passar o resto da sua vida com alguém, quer que o resto da sua vida comece o mais rápido possível.”

E muito (pra não dizer tudo) se deve ao “Don”, personagem central desta história impressionante.
Don é um dos personagens mais complexos e carismáticos que conheci e sem duvida me surpreendeu muito ao longo da leitura. Num primeiro momento, confesso que estava esperando um cara metido a sabichão, talvez um pouco arrogante, mas o que se apresentou foi uma pessoa de extrema simpatia, apesar de inepto no quesito “sociabilidade”.
E ouso dizer que esta outra versão de Don ocorre devido à narrativa, que é em primeira pessoa. Assim, é possível entender de maneira mais sucinta a ideia do personagem. De outro modo, talvez ele se tornasse a pessoa pedante que criei em minha cabeça.
O bom humor e irreverência, de fato, foram o ponto alto. Mais de uma vez parei a leitura para rir das tentativas de Don de interpretar literalmente algumas expressões, ou com a sua falibilidade em entender tiradas sarcásticas.
Rosie é Rosie. E, assim como Don, tem seus próprios traumas a superar. Pode-se dizer que é o oposto do professor: Fumante, desorganizada, nada atlética e sempre atrasada… nem de longe é a esposa ideal, como bem provou o questionário criado por ele.
Mas a magia (ou o clichê?) deve estar aí. Duas pessoas tão diferentes e um pouco fora dos padrões, se encaixam de maneira tão certa, ajudando uma a outra a dar o melhor de si.
Até então, tudo parecia um tanto previsível demais, seguindo o caminho que se espera de um romance. Porém, em dado momento, o autor lhe faz voltar para revisar o início do livro ou determinados capítulos para saber quais informações deixei passar ou julguei irrelevante. Demorei um pouco a entender que era justamente esta a intenção dele: Deixar que o leitor resolvesse parte da questão por conta própria. Genial!
Infelizmente, devo dizer que o que me incomodou muito no decorrer da leitura foram os erros de gramática que encontrei… e não foram poucos. Mas, a despeito deste ponto negativo – que creio ser devido a um descuido na hora da tradução/revisão -, a história não deixa de ser fascinante. Os personagens, cada um a seu modo, são encantadores e ensinam muito.
Sendo este o primeiro romance com um protagonista masculino que leio, fiquei fascinada por esta mente fora do comum.

Esse é, com certeza, um livro que vou recomendar daqui em diante.
Nota:
Espero que tenham gostado e até a próxima!