Arquivo de dezembro de 2017
acoes-especiais category image

Amigo secreto literário: Feliz Natal 2017!

23 dezembro 2017

Oi gente, tudo bem por aí? Por aqui, tudo lindo! E esse post é pra falar um pouquinho de como comemoramos o fim de ano.
Muitos livros lidos, resenhas lindas, parcerias especiais e a amizade de sempre com as meninas dos blogs parceiros marcam nosso ano de 2017. Teve até encontro com algumas de nós!
Estamos muito agradecidas por poder expor nossas ideias e opiniões sobre um assunto que gostamos tanto! E para comemorar esse encerramento de ano, fizemos um Amigo Secreto pra lá de especial: com nossas bestsde blogs! E o presente é livro, claro.
Sorteamos no site amigosecreto.com.br, colocamos nossos livros desejados e taca-lhe pau! O sorteio já foi realizado, já trocamos ideia com quem tiramos e que nos tirou, e a revelação do presente e do amigo secreto acontecerá no dia 30/12, aqui no blog mesmo.
Olha que banner lindo a Geo, do blog Inícios Marcantes fez pra gente!!


A seguir, vamos falar três características marcantes da amiga que tiramos. Será que você adivinha?

Minha amiga secreta:
Minha amiga secreta é muito fácil de ser descoberta, até porque é a única que conheço pessoalmente, e já nos conhecemos há algum tempo. Sem dar muito spoiler, vou dizer duas coisas que admiro nela e uma que nem tanto:
– Ela é extremamente leal com as pessoas que gosta
– Ela é generosa
– É dramáaaaaaaatica que só ela!
Quem será???

Amiga secreta da May:
Me pediram 3 características da minha querida amiga secreta, duas delas são comuns dentro do nosso grupo literário, mas a última com certeza vai entregar quem é (para aqueles que nos acompanham e dentro do próprio grupo):
– Ela é extremamente ansiosa
– Usa óculos para ler
– É apaixonada pelo mesmo cara que eu
E de bônus eu pensei em mil formas de matá-la, pelo trabalho e a correria de última hora que ela me deu!

Amiga secreta da Carla:
Aparentemente, uma pessoa tranquila, de poucas palavras (pelo menos no nosso grupo rs).
Nunca a vi pessoalmente, mas analisando a foto de perfil no whatsapp, achei o cabelo dela maravilhoso! Haha

Amiga secreta da Mari:
Então, eu não a conheço, mas deu pra perceber que ela gosta de mistérios e terror à romances clássicos. De aparência física, ela usa óculos e tem cabelos pretos. Será que alguém adivinha?


Aguardem cenas dos próximos capítulos!
Quem será que me tirou???


Beijos
literatura category image resenhas category image

Resenha: Corte de Asas e Ruína

19 dezembro 2017
Olá pessoal, tudo bem com vocês?
Sabem aquela história, né? Quem é vivo sempre aparece! rsrs. 
Depois de muitos altos e baixos na minha vida profissional, parece que finalmente vou conseguir colocá-la nos eixos e voltar a me dedicar a esse grande pedaço de amor da minha vida. 
Estava me sentindo um pouco mal por não ter deixado o blog tão ativo quanto gostaria durante esse ano, mas 2018 será promissor e certamente começarei os projetos que engavetei este ano. E, em geral, 2017 foi um ano complicado para a maioria das pessoas. 
Mas, vamos à grande razão do post… a maravilha em forma de letras com que Sarah J. Maas nos presenteou desta vez. 

Título: Corte de asas e ruína
Autora: Sarah J. Maas
Sinopse:

O terceiro volume da série best-seller Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da saga Trono de Vidro em “Corte de Asas e Ruína” a guerra se aproxima, um conflito que promete devastar Prythian. Em meio à Corte Primaveril, num perigoso jogo de intrigas e mentiras, a Grã-Senhora da Corte Noturna esconde seu laço de parceria e sua verdadeira lealdade. Tamlin está fazendo acordos com o invasor, Jurian recuperou suas forças e as rainhas humanas prometem se alinhar aos desejos de Hybern em troca de imortalidade. Enquanto isso Feyre e seus amigos precisam aprender em quais Grãos-Senhores confiar, e procurar aliados nos mais improváveis lugares. Porém, a Quebradora da Maldição ainda tem uma ou duas cartas na manga antes que sua ilha queime.
“Em meio à guerra, é seu coração que enfrentará a mais árdua das batalhas…”

A série Corte de Espinhos e Rosas me conquistou de tal forma que eu passo quase todo o pouco tempo que tenho disponível tentando convencer as pessoas a conhecerem essa história arrebatadora.

Certamente não fiz diferente com a Carla aqui do blog, hehehe, e – com isso e por isso – ela se apaixonou por essa obra… Partilhamos lamúrias e lágrimas e spoilers (essa parte é mais culpa minha, rs) e teorias e alegrias. Sendo assim, nada mais justo do que esse momento também ser nosso e partilharmos esse espaço para fazer um ataque combo x2 postar a resenha com a visão das duas, não é mesmo? 🙂  
As resenhas dos livros anteriores você pode conferir aqui:

NÃO RECOMENDAMOS PROSSEGUIR A LEITURA DESTE POST CASO NÃO TENHA LIDO OS LIVROS ANTERIORES!

E sem mais delongas, confiram nossas resenhas…

May:

Eu ansiei tanto por essa continuação que no dia em que ele foi lançado nos EUA eu o comprei em e-book e li em inglês mesmo. Eu estava desesperada por tê-lo e senti-lo, e não me arrependi dessa escolha em momento nenhum, nem quando fiquei enchendo a Carla de desespero e spoilers, hahaha.
Parece que não há formas de expressar bem o que é este livro. Repleto de ação e reviravoltas do começo ao fim, ele começa pegando fogo quase literalmente. 
O enredo da verdadeira batalha se mostra mais político e conceitual que o que possui de prática, e eu esperava mais do desenrolar prático da batalha, visto que a última 500 anos atrás foi épica. O que a torna envolvente é a preparação de Feyre e seus amigos que tentavam salvar a todas as raças, pois eles precisam primeiro convencer os demais de sua honestidade – graças às eras de mentiras e maldades que Rhys foi obrigado a fazer – antes de formar as novas e perigosas alianças.
Feyre também se vê ameaçada pelos demais Grão-Senhores que acreditam que ela tenha roubando-lhes os poderes, sem entender que na verdade eles os concederam. Sem contar que eles são testados o tempo todo, tendo que provar até onde estão dispostos a sacrificar em prol das alianças que necessitam. Feyre tem seu papel mais fundamental na trama neste quesito, por não concordar que todo o fardo deveria ser unicamente de seu parceiro.
O desenrolar da trama te prende, te fascina, te desespera e te consome ao mesmo tempo em que te diverte.
Você se pega odiando e desejando a morte de uma grande gama de personagens, a maioria membros do império de Hybern, porém nem todos. Ao mesmo tempo em que você se pega desacreditada(o) consigo mesma(o) por se compadecer de gente que até então merecia seu ódio com todas as forças… a palavra certa talvez seja “pena”. – Me peguei diversas vezes pensando “por que diabos eu estou com dó dessa criatura?!” hehe.
Em contraparte, quando falamos do círculo íntimo da Corte Noturna, Elain iniciou me decepcionando, mas era compreensível já que o Caldeirão tirou toda sua vitalidade em troca da imortalidade, seu envolvimento com Azriel (que até agora eu não entendi por que não é o seu parceiro) foi crucial para que ela pudesse se recuperar. Nesta me incomoda muito com seu jeito de ser, descontando seus problemas nas pessoas erradas, principalmente em Cassian – que ao meu ver é o melhor personagem depois de Rhysand. Ainda assim o entrosamento entre os dois é gostoso e engraçado de acompanhar e o relacionamento que eles constroem mesmo sem deixar claro se são parceiros ou não, está a altura do “poder” de ambos. Mor surpreende do início ao fim com seus segredos e não posso dizer que adoro Amren, mas seu papel é muito bem demarcado e desenvolvido, além de seu papel fundamental em todo o processo da trama. 
Já Rhys e Feyre, nossos narradores e protagonistas, não vão muito além do que já sabíamos sobre eles, o destaque que eles recebem está no papel central de desenvolvedores do contra-ataque à Hybern e em tudo que sacrificam por seu círculo e por seu povo. E é justamente aí que a autora vem e dilacera seu coração… chorei que nem uma criancinha agarrada ao travesseiro. É surreal! rsrs. 
Sarah criou um universo fantástico e envolvente que tem muito mais a ser explorado. Enquanto o seu segundo volume trata de superação e amor, este trata mais de política e ação, acima de tudo de poder e alianças, sobre confiar mesmo sem motivos para isso em busca do bem maior. E o melhor, sem perder o romance da coisa. 
Espero que a sequência que ligará os pontos até a continuação da série, intitulada A Court of Frost and Starlight, possa explorar mais do universo e que traga as consequências e os resultados da guerra como ponto chave.
Os únicos pontos negativos com relação à versão nacional do livro é que eu não gostei tanto da capa – assim como mais da metade dos leitores, e que a tradução me pareceu um tanto diferente da dos livros anteriores.

“— Feyre Archeron, um pedido. Deixe esse mundo um lugar melhor do que o encontrou.”

Carla:

Difícil expressar por meio de palavras tudo o que esse livro me fez sentir. Todas as lágrimas que eu derramei, o tanto que eu amaldiçoei nossa autora querida (perdão!), ou o quanto eu amei mais ainda cada personagem. Mas não podia esperar nada menos da Sarah, não é mesmo? rs.
E, juntamente com esse enredo maravilhoso, vem aquela “ressaca literária” maravilhosa… onde parece que nada que se ler a seguir irá te saciar. 
Bom, apesar da minha decepção com determinados personagens (principalmente por eu esperar uma participação mais direta na batalha final), outros me surpreenderam e subiram alguns pontinhos no meu conceito. – MENOS AQUELE QUE RESOLVEU QUASE NOS MATAR DO CORAÇÃO!
Detalhando: Sim, Feyre me desapontou. Ao meu ver, ela ficou muito à margem da grande guerra; Apesar dela ter tido um papel importantíssimo para que eles tenham chegado onde chegaram, ela poderia ter feito mais, talvez usado mais do seu treinamento.
Porém, o modo sábio como ela usou o título de Grã-Senhora e toda a inteligência para resolver os empecilhos que surgiram no caminho, me deixaram bastante orgulhosa. 
Agora, personagens que me impressionaram foram os outras irmãs Archeron. Mesmo não simpatizando muito com Nesta, os discursos “empoderados” dela foram de abalar. A troca de farpas entre ela e Cassian deixou tudo muito irreverente, e fiquei ansiosa por um livro com o desenrolar da história deles. Elain, com todos os seus medos e traumas mostrou que é possível, sim, se superar. 
Se ficar aqui escrevendo sobre cada ponto que se destacou, se tornará impossível terminar. O que posso dizer é: Senhor, que livro!
O que o segundo tinha de romance, esse teve de ação. Com momentos de fazer prender o fôlego e nos amarrar à história de modo que é uma tortura largar a leitura antes do fim.
Esse é um daqueles livros que te deixa com aquele desejo imenso de poder fazer parte desse mundo, de poder aproveitar cada personagem, cada lugar da história.
Com todas as suas lições sobre amizade, amor, sacrifícios… é de arrepiar até mesmo muito tempo depois de sua leitura.

“— A grande alegria e honra de minha vida foi conhecê-los. Chamar vocês de minha família. E sou grato, mais do que posso expressar, por ter recebido esse tempo com vocês.”

Nota:

E aí, o que achou? Não deixe de comentar conosco a sua opinião sobre esse universo da tia Sarah! E, de verdade, se ainda não pegou essa história para ler, pare de perder tempo! rs.

Boa leitura!
Beijos.
quatro-por-4 category image z category image

Quatro por 4: O garoto dos olhos azuis

17 dezembro 2017
Olá, tudo bem com vocês?
Estamos de volta com mais uma leitura do Quatro por 4! O livro do mês foi escolhido e resenhado por mim e claro que tem uma pegada de fantasia envolvida, eu sempre vou preferir fantasia e histórias com finais felizes, sempre rsrs. De trágica já basta a vida real, não é mesmo?


Então, sem mais delongas, vamos conhecer o livro da vez:
Título: O garoto dos olhos azuis (Trilogia Encantados #01)
Autora: Raiza Varella
Sinopse:
O príncipe encantado existe?
Bárbara é linda, loira e bem-sucedida. Desde que assistiu a uma cerimônia de casamento pela primeira vez, ainda criança, seu sonho é apenas um: percorrer o tapete vermelho da igreja, vestida de noiva. Porém, contrariando todas as suas expectativas, ao ser abandonada no altar, a vida de Bárbara desmorona. Ela decide voltar à cidade natal e passa a viver com os irmãos e mais dois amigos. Todos homens. Com a ajuda de Vivian, uma espécie de Barbie Malibu, Bárbara tenta superar sua decepção amorosa recente e uma da adolescência, que volta com tudo à sua memória: o garoto dos olhos azuis. Será que o cavalo branco só passa uma vez? É isso que Bárbara vai descobrir com bom humor, jogo de cintura e uma pitada de neurose, em O Garoto dos Olhos Azuis, romance de estreia de Raiza Varella.
Juro que tentamos fazer resenhas pequenas, mas foi muito difícil então nos perdoem se ficar algo extenso, vale a pena ler as opiniões de cada uma acreditem! 🙂
E lá vamos nós!

Análise da Geo, do blog Inícios Marcantes:

“Ninguém humano de verdade magoaria uma moça vestida de branco no seu grande dia.”
O garoto dos olhos azuis já me fisgou nas primeiras páginas, com a Bárbara falando sobre casamentos. Muito a vibe do filme Vestida Para Casar (que eu amo demais!). Tem os seus clichês, mas é cheio de reviravoltas. A narrativa é fluida e muito gostosinha de ler, me arrancando boas risadas. A Barb é muito engraçada e a avó dela é igualzinha a minha bisavó (sim, com o papo do cavalo branco e tudo! Hahaha). Fiquei doida da vida com algumas das atitudes da nossa protagonista, mas eu no lugar dela, viveria fugindo também (bom, talvez não quando desse de cara com um Ian…). Enfim, Raiza Varella escreveu uma obra que deixa as românticas (e por que não os românticos?) incorrigíveis com o coração aquecido!

Análise da Bia, do blog Books and Birds:

Um conto de fadas da vida real!
Depois de ter sido abandonada no altar, Bárbara se frustra ao ponto de não querer mais realizar o velho sonho composto por vestido de noiva, igreja e olhares apaixonados entre noiva e noivo. Depois de um tempo entregue a lágrimas e sem vontade de viver, sua mãe intercede e ela sem muitas opções acaba indo morar com os irmãos. Ao chegar em sua nova moradia, moradia esta habitada por quatro homens, seus dois irmãos e dois amigos dos mesmos, Bárbara se surpreende por encontrar um belo apartamento arrumado e limpo. Ciente da situação da nova moradora, Ian, um dos amigos, decide apresentar sua irmã com o intuito de ajudar ambas, a irmã que não possui muitos amigos e Bárbara que passou por uma situação intensa. Com o passar dos dias, não somente a amizade de Bárbara e Vivian, ou Barbie Malibu, que é como primeira passa a lhe chamar, se fortalece, como novos sentimentos começam a surgir entre as mesmas e alguns dos moradores do apartamento.
Em meio a amores antigos, traições, belos olhos azuis e uma nova amizade, Bárbara perceberá que o destino às vezes surpreende e que nem sempre uma situação ruim significa o fim, mas sim um belo recomeço!
Eu adorei a história! Apesar de ter um quê de clichê, o enredo é composto por situações inesperadas e diante de tantos dramas e trapalhadas, encontramos muito romance e humor! Ah, me diverti tanto, cheguei a dar boas gargalhadas com o casal principal e com a Barbie Malibu!
O Garoto dos Olhos Azuis é o primeiro livro da trilogia Encantados. Já estou louca para ler os outros dois livros, livros estes que envolvem as respectivas histórias de Augusto e Gustavo, os irmãos de Bárbara.

Minha análise:

Envolvente é a melhor definição para dar a este livro. Sabe quando a vida te derruba uma vez atrás da outra sem dar trégua? Então, isso resume a vida de Bárbara, a nossa protagonista. Chega a parecer exagerado o tanto que ela se dá mal num curto espaço de tempo.
Traída e abandonada no altar por suas melhores amigas e seu noivo, Bárbara se vê na necessidade de fugir para longe de sua própria vida em São Paulo e se esconder dentro de si mesma. Sem expectativas, ela acaba indo morar com seus irmãos, em Florianópolis, que dividem apartamento com dois outros amigos. E é lá que sua vida começa a andar novamente, mesmo em meio aos trancos.
Os personagens são apresentados um a um conforme vão se relacionando com Bárbara e alguns são bem cativantes, em especial a querida Barbie Malibu, que me divertiu até a última letra do livro. Ao mesmo tempo em que há personagens odiosos e cheios de “recalque”, fico em dúvida até pra dizer qual detestei mais.
O desenrolar da trama parece cotidiano, bem dosado com drama, comédia e até mesmo aventura, tratando do luto de Bárbara sem enrolar demais mas também sem apressar as coisas. E Ian, amigo de seus irmãos e irmão da Malibu, tem um papel fundamental nisso, tentando ajudá-la a se reerguer e dar um passo de cada vez, mas Ian nos mostra que tem algo de diferente nele, seus próprios atos questionáveis e isso acaba nos conquistando ainda mais.
E como todo bom romance “mágico” sempre tem as reviravoltas da vida para atrapalhar o felizes para sempre e, no caso deste livro, que reviravoltas alucinantes! Eu devorei o livro!
Em pontos técnicos, o livro (a versão em e-book, ao menos) não foi bem revisado e peguei diversos erros que foram chateando por serem bobos, mas nem isso foi capaz de me fazer parar de ler e ansiar por um final feliz, para que tudo finalmente entrasse nos eixos. Pessoas de bom coração sempre merecem ser felizes, não é mesmo? O papel do conto de fada é nos fazer acreditar nisso e deixar de acreditar que merecemos ser felizes e que há sim magia no mundo pode ser o nosso maior erro, e essa é a lição/moral que nos é passada. É regozijante poder ansiar pelo bem. Por fim, me resta dizer que recomendo a leitura para se divertir, se apaixonar e principalmente reaprender a ter fé.

Análise da Cah, do blog A Bookaholic Girl:

O garoto dos azuis foi uma leitura muito surpreendente, e em vários sentidos. Começando pela capa que parece ser típica dos livros de fantasia (me deixando meio apreensiva porque não gosto desse gênero, confesso), mas na verdade a história é do gênero Chick-Lit, um dos meus gêneros favoritos. A sinopse também não me achou atenção porque pensei que poderia cair naquele estereótipo de personagem perfeita: loira, bonita e rica, que estou bem cansada de ver, mas não, Raiza Varella conseguiu me encantar. A temática da história é bem interessante, ver como se desenvolveria a história de Babi ao ser abandonada no altar me lembrou algumas das histórias da Marian Keyes e Sophie Kinsella, que mesmo com um atmosfera traumática na vida da mulher ainda consegue trazer várias sacadas de humor.
A escrita da autora é muito envolvente, dialogando com o leitor de maneira moderada, rapidamente estamos imersos na história e nos personagens. E por falar em personagens, eles são apaixonantes! Parece que estamos em Santa Catarina, no apartamento de Augusto, Gustavo, Bernardo e Ian, conversando com Babi e Vivian, a Barbie Malibu. Cada um a sua maneira consegue deixar a sua marca e acrescentar sua personalidade no círculo dos amigos que estão prontos a ajudar nas dificuldades que a vida traz. O único ponto negativo na leitura, para mim, foi o excesso de cenas dramáticas, como se quase todas as desgraças possíveis pudessem acontecer com a protagonista. Essa estratégia pode agradar a muitos, mas eu fico muito irritada com esses acontecimentos, pois a história já está muito bem estruturada e eu sinto que o autor quisesse forçar a barra, sem necessidade para tanta comoção, rs.
Por fim, posso dizer que gostei muito do estilo da Raiza Varella e quero muito ler os demais livros da Trilogia Encantados, que traz a história dos irmãos de Babi: Augusto (O garoto que tinha asas) e Gustavo (O garoto que eu abandonei). Então sim, eu recomendo a leitura para aqueles que gostam de uma bom romance, com doses (extremas) de drama e humor.
E aí, o que acharam do livro e da nossa opinião sobre ele? Viram que capa gracinha a desse livro? É apaixonante, né?!
Minha resenha tinha ficado com o dobro do tamanho inicialmente, é muito difícil deixa-las no formato do Projeto, mas estamos praticando! rs.
Inicialmente este livro foi escrito como volume único, mas Raiza menciona ao final do segundo volume que por incentivo de amigos, familiares e leitores, ela decidiu voltar à vida de Bárbara e sua família e criou a trilogia. Traremos as resenhas dos demais livros também, com certeza! 🙂

Vejam as capas dos demais como são igualmente lindas, toda a trama envolta em cavalos, hehe #referências. 

Agora vou apresentar a vocês a próxima leitura do Projeto, que aqui no Coelho da Lua, será lido pela Carla:

Título: Baía da Esperança
Autora: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Ano: 2016
Edição: 2
Número de páginas: 301
Tema central: Romance

Participem da leitura conosco! Até a próxima!
Beijo.